NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS

As ações afirmativas das empresas pela igualdade racial

21/11/2012

Compartilhar


Seminário do Ethos mostra a situação atual da diversidade racial no mercado de trabalho e faz um balanço das ações do governo e das empresas no país.

Por Jorge Abrahão*

Ontem, 20 de novembro, comemorou-se o Dia da Consciência Negra e hoje o Instituto Ethos está realizando um seminário de balanço das ações afirmativas das empresas pela igualdade racial, durante o qual também serão discutidas as iniciativas de governos que ajudam a tornar mais equânime a situação dos negros e das negras na sociedade brasileira. Apesar de reconhecer que ainda há muito por fazer, houve avanços significativos e as empresas tiveram um papel importante nesse progresso. Vamos comentar esse quadro agora.

Programa de ações afirmativas

O governo federal deve lançar ainda esta semana um programa de ações afirmativas que, entre outras iniciativas, vai incluir a adoção de cotas para negros no funcionalismo federal e a criação de incentivos fiscais para empresas privadas que fixarem vagas de trabalho para negros.

De fato, o mercado de trabalho ainda é um ponto crítico para a superação das desigualdades étnicas existentes no Brasil. Se o país vem caminhando para superá-las em outros setores, como o da educação, no campo do emprego a igualdade anda a passos mais lentos.

Um trabalho sobre a inserção do negro no mercado de trabalho realizado em 2010 pelo Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra que a população negra predomina na população brasileira, é mais jovem, tem mais filhos, é mais pobre e está mais exposta à mortalidade por causas externas, especialmente homicídios.

Nos últimos anos, com as políticas compensatórias, houve ascensão social. De acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (Pnad), são negros 80% dos mais de 40 milhões de brasileiros que ascenderam à classe C. Nas universidades, eles são 921 mil entre 3,5 milhões de estudantes. Uma porcentagem pequena se comparada ao total de universitários, mas já grande o suficiente para fazer diferença no mercado de trabalho. E como este se comporta em relação à inclusão de negros?

A pesquisa de 2010 do Dieese mostra que os negros predominam no setor agrícola (61,5%), na construção civil (60,1%), nos serviços domésticos (61,8%) e em atividades mal definidas (73%). Ou seja, mesmo com o avanço social e educacional, os negros ainda não têm oportunidade de ocupar posições mais qualificadas em setores de ponta da economia brasileira. Isso acaba por refletir na remuneração. Em termos salariais, o rendimento médio do homem negro ainda é metade do recebe o homem branco. A mulher negra está mais abaixo nessa escala: sua remuneração equivale, em média, a 30% do salário do homem branco e à metade do rendimento da mulher branca.

Nas empresas, a edição de 2010 da pesquisa Ethos-Ibope Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas mostra variação positiva na ocupação de cargos por negros e por negras, mas ainda aquém da participação deles no total da população brasileira.

Nos quadros funcionais, entre 2003 e 2010 a participação de negros ampliou-se de 23,4% para 31,1%. Nos cargos de supervisão, a evolução foi de 13,5% para 25,6%. No âmbito gerencial, a participação subiu de 8,8% para 13,2%. Entre os executivos, a proporção variou de 2,6% para 5,3%.

No que tange aos salários, um homem negro ganha 30% menos do que um branco para executar as mesmas tarefas.

Mas, afinal, qual é a influência da raça na sociedade?

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com 15 mil famílias em cinco Estados brasileiros e no Distrito Federal mostrou que 63,7% dos entrevistados acreditam que a raça influencia na vida de uma pessoa. Entre as situações nas quais a cor ou raça tem maior influência, o trabalho aparece em primeiro lugar entre as pessoas entrevistadas, com 71% das respostas. Logo em seguida, os brasileiros apontaram que a cor ou raça interfere “na relação com a Justiça ou a polícia”, citada por 68,3% dos entrevistados. Para 65%, esse fator também interfere no convívio social e, para 59,3%, cor e raça são fatores que atuam na maneira como as pessoas agem nas escolas.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) também apurou que os jovens negros são os que mais morrem em razão da violência – 50% dos óbitos entre homens negros até 30 anos são decorrentes de homicídios. Entre os brancos, essa porcentagem é de 35%.

É alto o custo da desigualdade racial: levando-se em conta acesso a educação, saneamento e habitação, o professor Mário Theodoro, da Universidade de Brasília, calculou que o Brasil precisa de R$ 67 bilhões para equiparar negros e brancos num prazo curto, um volume de recursos que o Estado brasileiro tem condições de arcar, pois representava, em 2006, ano desse cálculo, oito meses de pagamento dos juros da dívida pública.

O que fazer?

O enfrentamento dessa questão depende de ações articuladas entre a sociedade civil, as empresas e as diversas instâncias de governo. Os governos estão fazendo a parte deles, com a aprovação de políticas afirmativas e regulações em diversas áreas, embora ainda falte harmonização entre iniciativas federais e estaduais. As empresas podem avançar mais e, por meio de suas ações, tornarem-se protagonistas da valorização da diversidade no mercado de trabalho.

Em 2006, o Instituto Ethos lançou a publicação O Compromisso das Empresas com a Promoção da Igualdade Racial, na qual recomenda alguns passos para a promoção da igualdade racial, tais como:

  • sensibilização de todos os funcionários para a questão;
  • realização de um censo interno, para verificar a realidade da empresa;
  • abertura de fóruns de diálogo para abordar os dilemas; e
  • estabelecimento de comitês e cursos sobre diversidade.

Para orientar na realização do censo interno, o Instituto Ethos disponibiliza também a publicação Diversidade e Equidade: Metodologia para Censo nas Empresas, lançada em 2008.

Ao conhecer a situação da empresa quanto à diversidade étnica, será possível elaborar e adotar um plano de ação com metas e prazos para que, num período de tempo considerado adequado pela companhia, aumente o número de profissionais negros e negras ocupando cargos nos diversos níveis hierárquicos.

Caso concreto

O Banco Itaú assumiu a responsabilidade de criar oportunidades iguais para todos valorizando o talento de cada um. Por meio do seu Programa de Diversidade, busca promover um ambiente de trabalho inclusivo, investindo na atração e na retenção de profissionais. Por meio do Programa Raízes, contribui para o desenvolvimento da cidadania e capacitação profissional de jovens negros, além de prepará-los para assumir diferentes funções nas áreas de negócios. O índice de efetivação dos estagiários desse programa supera os 60%.

O Itaú também dispõe de uma Política de Diversidade que está integrada ao planejamento estratégico da instituição e é regularmente divulgada entre todos os funcionários e partes interessadas.

* Jorge Abrahão é presidente do Instituto Ethos.

Legenda da foto: Trabalho do fotógrafo Januário Garcia, importante militante do movimento negro brasileiro, que gentilmente cedeu imagens para serem usadas no seminário.

Usamos cookies para que você possa ter uma boa experiência ao navegar.
Ao usar o site você concorda com o uso de cookies.
Para mais informações, por favor veja nossa Declaração de Privacidade.

CONTATO

© 2016-2021 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.