NOTÍCIAS

Direitos Humanos
Institucional
Gestao Responsavel
Integridade
Ambiental

ETHOS

Copa 2014 pode melhorar transparência das contas públicas

22/10/2013

Compartilhar

Durante seminário em Porto Alegre, o projeto Jogos Limpos, do Ethos, apresentou pesquisa para avaliar os investimentos públicos na Copa.        

O projeto Jogos Limpos, do Instituto Ethos, apresentou na última quarta-feira (16/10), na Faculdade Monteiro Lobato, em Porto Alegre (RS), o Seminário “Transparência na Copa 2014: Como Está Esse Jogo?”. O encontro faz parte de uma rodada de eventos que vai passar por todas as 12 cidades-sede do próximo Mundial da Federação Internacional de Futebol (Fifa).

O destaque desta vez foi a apresentação da pesquisa “Indicadores de Transparência”, criada pelo Instituto Ethos, por meio do projeto Jogos Limpos, para avaliar os investimentos públicos feitos por Estados e municípios para a Copa do Mundo do ano que vem.

A capital gaúcha é um ponto positivo da apuração dos Indicadores de Transparência. Segundo a pesquisa do Instituto Ethos, 10 das 12 cidades-sede da Copa fizeram menos de 19 pontos em uma escala que varia de 0 a 100, sendo sua transparência classificada como “Muito Baixa”. Porto Alegre foi a mais bem colocada na avaliação, com 48,87 pontos. A capital gaúcha foi uma das duas cidades-sede a aparecer no nível “Médio” dos Indicadores, juntamente com Belo Horizonte, que teve 48,44 pontos. Mas mesmo assim não atendeu a mais de 50% dos quesitos.

Silvio Zago, técnico da Secretaria de Planejamento Estratégico e Orçamento de Porto Alegre, ressaltou que o município trabalha atualmente para se tornar uma cidade-modelo em transparência. “Fizemos grandes melhorias e isso deve dar resultado na próxima atualização da pesquisa”, frisou. Angélica Rocha, coordenadora nacional do projeto Jogos Limpos, destacou que a atualização da pesquisa para os municípios será divulgada no dia 3 de dezembro.

O estudo dos Indicadores de Transparência também foi feito para os Estados e igualmente mostrou números ruins no geral. Dois foram avaliados como tendo nível de transparência “Muito Baixo” e quatro como “Baixo”, incluindo o governo do Rio Grande do Sul, que totalizou 32,62 pontos.

Bruno Scheidemandel Neto, membro da Câmara Temática da Transparência do Comitê Gestor da Copa 2014, acredita que o maior legado da Copa no Brasil será a consciência social. “A sociedade vai continuar discutindo administração, gastos e obras públicas, tendo um poder de controle cada vez maior sobre os investimentos municipais, estaduais e federais”, afirmou. Para ele, os governos precisam aprofundar o processo de transparência, procurando a população para dialogar. “O portal de transparência é importante, tem de existir. Mas transparência sem participação social não existe”, declarou.

Órgãos controladores

A outra parte do evento discutiu a ação dos órgãos de controle e o controle social nas obras da Copa de 2014. Paulo Soares, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que integra o Observatório das Metrópoles, destacou o projeto “Metropolização e Megaeventos”, que trata dos impactos da Copa do Mundo sobre as cidades-sede e suas populações. “Os impactos podem ser positivos ou negativos”, enfatizou. “Barcelona é um paradigma em gestão urbana de megaeventos, com as Olimpíadas de 1992, que levou enormes benefícios para lá. Mas hoje, no Brasil, tem a questão da remoção de famílias para a realização de novas obras, o que gera inúmeros problemas sociais.”

O defensor público Rodolfo Malhão destacou que a obra da duplicação da Avenida Tronco, na zona sul de Porto Alegre, é a que vai remover o maior número de pessoas entre todas as obras para a Copa de 2014, afetando 4.200 famílias. “A Defensoria Pública está fazendo de tudo para que o direito dessas pessoas não seja violado”, afirmou.

Malhão citou a criação da Câmara de Conciliação, que tenta resolver os problemas diretamente entre os envolvidos e a municipalidade. Outro entrave para a Defensoria é a Lei Geral da Copa, que coloca muitos direitos do cidadão abaixo dos direitos da Fifa. Um exemplo é a “Zona Exclusiva da Fifa”, que vai restringir o acesso a determinadas áreas durante o evento, tirando o livre acesso inclusive de moradores locais.

Fizeram parte do debate ainda Cláudio Corrêa, chefe da regional gaúcha da Controladoria-Geral da União (CGU); Andrea Mallmann, do Tribunal de Contas do Estado (TCE); e Antônio Valcir Capa, auditor da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado. Eles deram detalhes técnicos sobre os gastos com contratações para as obras, que gira em torno dos R$ 816 milhões.

Mallmann mostrou gráficos comparando as previsões de execução das obras com o andamento encontrado na fiscalização do TCE, sempre com uma grande diferença entre o planejado e o efetivamente executado (veja a apresentação abaixo). “A Copa do Mundo foi uma oportunidade para obter importantes recursos para a cidade, mas criaram-se cronogramas difíceis de serem executados”, avalia.

O evento foi uma iniciativa do Instituto Ethos e teve como organizadores locais a Controladoria e Auditoria-Geral do Estado do Rio Grande do Sul (Cage), o Conselho Regional de Contabilidade do Estado (CRCRS), o Conselho Municipal de Saúde de Porto Alegre, a seção gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS), a Controladoria-Geral da União (CGU), o Observatório das Metrópoles – Núcleo Porto Alegre, o Observatório Social do Brasil, o Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Tributária do Rio Grande do Sul (Sindifisco-RS) e a Sociedade Educacional Monteiro Lobato.

Por Tiago Seidel, para o Instituto Ethos

 

Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul na Copa 2014 from institutoethos

Usamos cookies para que você possa ter uma boa experiência ao navegar.
Ao usar o site você concorda com o uso de cookies.
Para mais informações, por favor veja nossa Declaração de Privacidade.

CONTATO

© 2016-2021 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.